Mostrando postagens com marcador Tecnologia. Mostrar todas as postagens

 (nomeada Líder no Quadrante Mágico do Gartner para plataforma de IA de conversação corporativa, a Kore.ai busca a liderança no Brasil e América Latina) 

Francisco Chang, VP Sênior para América Latina da Kore.ai.

A Kore.ai, empresa norte-americana, desenvolvedora de software e especializada em soluções de IA Conversacional para revolucionar a comunicação entre as pessoas e empresas, chega ao mercado brasileiro para inovar a experiência do cliente. “Vivemos uma nova era, de consumidores digitais hiperconectados, mais exigentes e que perceberam o verdadeiro valor das relações cliente e consumidor, sem abrir mão de um tratamento humano, portanto, já não se contentam com os meios obsoletos de assistentes virtuais ou chatbots sem poder de resolução efetiva e que não simplificam a comunicação, por isso, nos dedicamos exclusivamente em aprimorar soluções de comunicação entre consumidores e negócios, a partir de uma plataforma de assistentes virtuais conversacionais. Hoje concentramos 70% do capital humano da empresa para aprimorar continuamente uma plataforma que permita conversas automatizadas, porém contextualizadas, resolutivas e surpreendentes”, explica Francisco Chang, VP Sênior para América Latina da Kore.ai.

A plataforma de IA Conversacional da Kore.ai, empresa fundada em 2014, desembarcou no Brasil no último trimestre de 2021 com tecnologia no-code e é capaz de criar, personalizar, acompanhar e evoluir a comunicação com assistentes virtuais, a partir da inteligência artificial conversacional. A plataforma suporta implantações no local e na nuvem para cerca de 30 canais em mais de 20 idiomas. 

A inovadora plataforma conversacional da Kore.ai é colaborativa para criação de assistentes virtuais, e utiliza sua própria  NLP (Natural Language Processing), patenteada por Kore.ai,  capaz de captar intenções e sentimentos na interação com os usuários, que conta como principais características (reconhecer instantaneamente o propósito da interação,  a facilidade de conexão com sistemas e canais atuais de qualquer empresa e está pronta para apoiar aspectos como (omnichannel, autoatendimento, interações humanas proativas), inclusive proporcionando multi-experiências como por exemplo, uma situação típica do dia a dia, quando a internet sai fora do ar. A equipe da Kore.ai explica que nesse caso, imediatamente ao ligar para a operadora o usuário poderá receber a informação por imagem e voz com recursos que permitirão análise e resolução do problema, de forma inteligente e personalizada. 

Além disso, a Kore.ai também oferece assistentes virtuais pré-configurados para verticais como serviços financeiros, saúde, RH, TI, operações, etc.  

 

Líder no Quadrante Mágico do Gartner de 2022 para plataforma de IA de conversação corporativa, a Kore.ai prevê encerrar o ano fiscal de 2022 com um aumento de mais de 100% nas receitas e adição de grandes clientes em mercados verticais na América Latina, América do Norte, EMEA e Ásia-Pacífico. “O grande impacto de um assistente virtual para um negócio está no ganho de tempo que se tem ao automatizar algumas tarefas rotineiras e repetitivas. Ao treinar o Assistente Virtual para solucionar ou executar atendimentos simples e complexos, gerando aumento de produtividade e satisfação do cliente, entre outros benefícios o gestor e sua equipe terão mais tempo para focar em problemas e soluções mais estratégicas, essenciais para o crescimento e sucesso de um negócio”, informa Fabio Ferreira, diretor de vendas e parcerias   da Kore.ai. 

 

Por conta da pandemia do Covid-19, houve um mudança comportamental, (usuário muito mais digital) e um aumento considerável de tecnologias que evitam o contato humano e a tecnologia de Assistente Virtual marcou de forma definitiva esse período, tanto que, em 2020, teve seu mercado avaliado em US$ 17,17 bilhões, com previsão de chegar aos US$ 102,29 bilhões em 2026, segundo dados da Mordor Intelligence. Uma estimativa realizada no último trimestre de 2021 pela empresa de consultoria Gartner diz que, até 2022, 70% das interações com o cliente envolverão tecnologias de relação com a máquina, como os chatbots ou assistentes virtuais. Isso equivale a um aumento de 15%, se comparado com 2018.  

Kore.ai e os principais benefícios de sua tecnologia conversacional para clientes e para o business:  Plataforma “no-code”, Disponibilidade 24 horas por dia, 7 dias na semana,  Suporte local,  Automação de processos complexos e personalização, Agilidade no atendimento,  Retenção e consequentemente redução do "churn", Aumento de satisfação do cliente - NPS,  Aumento na geração de leads, Redução de custo operacional, Interações mais humanizadas e empoderamento de clientes e colaboradores.

Segundo Fabio, com a plataforma conversacional da Kore.ai, as empresas podem alcançar uma redução de até 75% do volume de atendimentos humanos. “Contar com a inteligência e estratégia de profissionais antes dedicados ao atendimento aumenta a produtividade e o empoderamento de pessoas nas empresas”, afirma o executivo. 

Com uma estratégia apoiada em parceiros de negócios, como integradores, fabricantes, entre outros, a Kore.ai busca no Brasil atrair mais alianças estratégicas para atender às necessidades específicas de empresas. No momento já conta com cinco parceiros.  

A plataforma conversacional Kore.ai integra-se também com softwares e canais de comunicação das empresas, como WhatsApp, Facebook, Slack, Instagram, CRMs, ERPs, livechats e sistemas de automação de marketing, através de suas APIs pré- configuradas. Já as ferramentas analíticas da plataforma são capazes de analisar o fluxo da conversa, semântica das palavras, expressões idiomáticas, entre outros fatores.

Em relação a acessibilidade, Fabio explica que ter a possibilidade de melhorar a vida das pessoas é um grande motivador pessoal. “Independente de classe social, característica, gênero ou deficiência, uma plataforma conversacional minimiza os obstáculos de interação na comunicação, de forma personalizada para diferentes tipos de necessidades”, conclui o executivo.

A Kore.ai é uma desenvolvedora de software e especializada em soluções conversacionais.  

A Kore.ai foi fundada em 2014 e tem hoje cerca de 700 colaboradores, sendo 85% formada por desenvolvedores e especialistas. A empresa tem escritórios físicos nos EUA, Reino Unido, Índia, Japão e Coreia do Sul, além do Brasil. A maior parte dos seus clientes está na América do Norte e na Ásia, no Japão, na Coreia do Sul e na China. Mais de 100 milhões de consumidores e 500 mil funcionários de empresas já interagiram com plataformas conversacionais de assistentes virtuais criados pela plataforma. A Kore.ai (matriz) passou recentemente por uma rodada de investimento série C, na qual levantou US $70 milhões. 

No Brasil, o novo escritório irá coordenar sua operação na América Latina.  

Visite www.kore.ai.com para saber mais. 

 

 



Encontro ocorreu em Ceilândia e marcou o anúncio de novas funcionalidades para os usuários

Com a visão de ser a “home do trabalhador na América Latina”, a plataforma brasiliense Oddie já conecta quase 10 mil usuários no Distrito Federal e 26 unidades da federação, em apenas quatro meses de operação. Criada para simplificar o relacionamento entre profissionais autônomos e clientes de maneira rápida, gratuita e sem burocracia, a startup Oddie agora trabalha para aumentar o número de cadastros e entregar novas funcionalidades para melhorar a experiência dos usuários.

No último sábado (26/3), a startup promoveu um café da manhã, em Ceilândia, para empreendedores brasilienses, imprensa e população da região. O objetivo foi destacar os impactos da plataforma de serviços aos empreendedores, apresentar novas funcionalidades, e convidar os prestadores a contribuírem na construção dos próximos passos da plataforma. 

Quando começamos a trabalhar na ideia da Oddie, nossa hipótese era de que, se eliminássemos todos os obstáculos, financeiros e de usabilidade que existem entre clientes e prestadores de serviços, conseguiríamos oferecer o maior valor possível para ambas as partes. E, quando os usuários percebessem esse valor,  recomendariam para outras pessoas, acelerando o crescimento da plataforma. É isso o que estamos conseguindo fazer”, ressalta o co-fundador da Oddie,  Daniel Alano. 

Novidades – Uma das novidades anunciadas na ocasião, foi a recém lançada funcionalidade que permite a emissão de recibos e orçamentos.  Segundo Daniel Alano, agora, o prestador cadastrado poderá emitir orçamentos e recibos para os negócios fechados pela plataforma. 

“Eles já estão emitindo orçamentos completos, com todas as informações sobre o seu negócio, o que dará mais confiança e credibilidade para o relacionamento com o cliente, além de ajudar na organização das suas contas”, ressalta Alano. “O encontro foi uma excelente oportunidade para conhecer um pouco mais sobre as novas funcionalidades, tirar dúvidas e contribuir com novas ideias para aperfeiçoar o sistema”, completa.


A proposta da Oddie é facilitar a vida dos clientes oferecendo uma vitrine de profissionais, ainda pouco conhecidos no mercado de trabalho ou na região onde atuam. Desde dezembro de 2021, a plataforma já possibilitou a realização de centenas de negócios por meio do sistema. Em torno de US$ 1,1 milhão estão sendo aplicados na execução da ferramenta, recurso estrangeiro proveniente de fundos de investimento e investidores anjos.

Ao todo, já são mais de 260 especialidades cadastradas na ferramenta. Entre os serviços mais demandados no sistema estão os de babá, “marido de aluguel”, eletricista, pintor, pedreiro, e faxineira, atividades que têm auxiliado milhares de brasilienses, especialmente diante das restrições impostas pela pandemia da Covid-19.

Dayse Ramos é uma das empreendedoras do DF que apostam na plataforma. Há dois anos, ela se tornou “marida de aluguel” e atende principalmente o público feminino. A empreendedora faz serviços de hidráulica, elétrica, pintura, montagem de pequenos móveis, instalação de cortinas, persianas, varais, e muitas outras coisas. Com auxílio da Oddie, a autônoma tem vencido os obstáculos impostos pela pandemia para divulgação dos seus serviços e ampliado a clientela. 

“Antes, eu divulgava meus serviços por meio das redes sociais e pelo famoso boca a boca. Depois que conheci a Oddie, a plataforma se tornou meu principal meio para divulgação, especialmente por ser uma ferramenta gratuita”, ressalta. “Por meio do aplicativo fica mais fácil chegar ao cliente, posso emitir recibos e orçamentos, além de oferecer cartão de visita digital, que pode ser compartilhado pelo WhatsApp e nas outras redes sociais. Isso facilita muito”, avalia a empreendedora.


Sobre a Oddie – Criada por um grupo de empreendedores brasilienses do setor de startups para conectar empreendedores junto a parceiros por meio de ferramentas gratuitas, a Oddie tem a missão de empoderar o capital humano facilitando e estimulando a digitalização do trabalho autônomo. 

Trata-se de uma ferramenta digital gratuita, fácil de usar e com uma escalabilidade essencialmente ilimitada, que valoriza o trabalho dos profissionais independentes e cria uma realidade mais rentável e produtiva para os usuários da plataforma. 

Na Oddie, trabalhadores de todo o país podem criar um perfil on-line e divulgar seus serviços por meio de ferramentas digitais modernas que visam valorizar o trabalho do prestador de serviço e criar uma realidade mais rentável e produtiva. 

Saiba mais sobre a Oddie em: https://oddie.com.br/quem-somos 


Evento de 17 a 20 de novembro tem como destaque mentorias, palestras e visitas a startups, coworkings e projetos sediados no DF

Startups, empreendedores, entidades e investidores atuantes no mercado local estarão reunidos na 2ª edição do Brasília Innovation Week, de 17 a 20 de novembro, no Biotic - Parque Tecnológico de Brasília. O evento integra o projeto Startup Brasília 2030 (SB2030), realizado pela Fundação de Apoio à Pesquisa e Inovação do Distrito Federal (FAPDF) e executado pela Associação das Startups e Empreendedores Digitais (Brasil Startups). A proposta é unir os mais diversos atores do ecossistema por meio de ações que promovam mais interações entre os stakeholders, capacitem os empreendedores e ofereçam ambientes propícios para a inovação aberta.

"O nosso objetivo nesta edição é dar publicidade ao que há de melhor na nossa cidade no que tange a empreendedorismo e startup, gerando mais conexões, sociedades, negócios. Para isso, convidamos empreendedores locais para palestrar para que o público conheça os cases que a nossa cidade possui na área de empreendedorismo e startups”, destaca o presidente da Brasil Startups, Hugo Giallanza. 

As inscrições para esta segunda edição já estão abertas, são gratuitas e podem ser efetuadas pelo link:https://bit.ly/eventos-brasilstartups. As vagas são limitadas.

Na primeira edição do evento, foram realizadas mais de 16 horas de mentorias, 8 horas de meetup, quase 30 horas de networking e mais de 10 investidores. Também houve, na ocasião, o pré-lançamento do Portal Observatório do Ecossistema -  um portal que permite incluir e mapear dados do ecossistema do Distrito Federal e  Região Integrada de Desenvolvimento (RIDE), para elaborar ações e atender às necessidades da região de forma objetiva e efetiva -, e o início das discussões para a criação do Fundo Patrimonial do Empreendedorismo do Futuro. 

“Essa série de eventos realizados em curto intervalo de tempo possibilita mais conexões e negócios para os empreendedores da nossa capital. Então, as pessoas que não conseguiram participar da primeira edição poderão vir nesta segunda”, ressalta o presidente da Brasil Startups. 

Destaques – Um dos destaques do Brasília Innovation Week é a realização do Innovatour Investor, com uma van que levará investidores e atores principais a conhecerem startups, coworkings e projetos sediados em Brasília, além de outras atividades promovidas pelos parceiros.

“Com o Innovatour Investor, vamos levar vários investidores para visitar um grupo seleto de startups do DF. Isso pode gerar um potencial muito grande, pois estamos possibilitando que empresas locais tenham contato com essa estrutura financeira e, quem sabe, consigamos converter isso em investimentos para nossa cidade. Essa situação só é possível pela nossa existência, promovendo essas conexões”, salienta o presidente da Brasil Startups, Hugo Giallanza. 

A programação também é composta de mentorias e workshops com profissionais experientes na área e meetups no estilo happy hour com a participação de atrações musicais, em ambiente propício para realização de networking, novas parcerias e novos negócios. Alguns dos temas abordados nas mentorias nos quatro dias de evento serão: Vendas e relacionamento com clientes; Passos para estruturar o financeiro da sua empresa; Networking, Marketing digital, entre outros. 

“Durante a programação dos meetups, também vamos promover pitches, que são apresentações rápidas de startups para investidores presentes no evento. Será uma excelente oportunidade para geração de networking e negócios estratégicos”, ressalta Tatiana Marques, diretora da Brasil Startups e coordenadora de drive de inovação do Startup Brasília 2030. “Outra novidade é a realização de agendas direcionadas à startups da área jurídica, que integram o drive Legaltech. Em parceria com a Probono, vamos oferecer mentorias e palestras direcionadas a esse público”, completa.

Os mentores são profissionais ligados à Brasil Startups, Centro de Operação, Talento e Inovação operado pela Cotidiano Aceleradora de Startups (C.O.T.I), Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae-DF), entre outros parceiros.

Outro destaque do evento é a transmissão de toda a programação nas redes sociais da Brasil Startups, permitindo que os inscritos impossibilitados de estar no local do evento acompanhem as palestras e toda a programação. Apesar das recentes flexibilizações divulgadas no Distrito Federal, todos os protocolos de prevenção à Covid-19 serão mantidos a fim de mitigar ao máximo o contágio da doença e quaisquer outras infecções virais durante atividades dessa natureza.

“Estamos com uma boa expectativa de público no modo presencial, mas o evento será transmitido pelas redes sociais e, com isso, também oferecemos a possibilidade de acesso às palestras de forma online", ressalta Giallanza. 

Entre as medidas adotadas pela organização, estão o uso obrigatório de máscara para participantes, palestrantes e visitantes durante todo o evento, a disponibilização de dispensers de álcool em gel, além de monitoramento de temperatura e distanciamento social nos ambientes. 

Ainda como parte das ações previstas no projeto Brasília Startup 2030, durante esta edição do Innovation Week, será dada continuidade à construção do Manifesto do Ecossistema do Distrito Federal e RIDE - uma declaração pública de intenções, motivações e visões das lideranças e stakeholders locais. O documento, que começou a ser criado durante a primeira edição do evento, tem a proposta de manifestar a visão e os desejos dos atores-chave, o que deve aumentar o apoio das lideranças empresariais e governamentais e atrair mais empreendedores.

Sobre o projeto - O projeto Startup Brasília 2030 atua em cinco drives de inovação. São eles: Edtech (startups que atuam na área de educação e que incorporam o uso da tecnologia nos métodos de aprendizagem ou no gerenciamento das instituições); Fintech (startups que trabalham para inovar e otimizar serviços do sistema financeiro); Healthtech (startups que desenvolvem tecnologias para otimizar o sistema de saúde e tudo a ele relacionado); Socialtech (startups que garantem que a revolução tecnológica produza um impacto social positivo) e Govtech (startups que têm como propósito gerar inovação para a gestão pública e auxiliar na economia de recursos públicos através de soluções tecnológicas).

Saiba mais sobre o trabalho da Brasil Startups em: brasilstartups.org/sobre.

Serviço

O quê: Brasília Innovation Week - 2ª edição

Quando:17 a 20 de novembro (2ª edição) e de 8 a 11 de dezembro (3ª edição).

Onde: Parque Tecnológico de Brasília – BIOTIC, Lote 4, Granja do Torto,

Brasília/DF

Horário: das 16h às 21h

Inscrições e programação: https://bit.ly/eventos-brasilstartups

 Série de eventos vai promover conexões no mercado e agitar empreendedores do DF e RIDE de 27 a 30 de outubro 


Entre os dias 27 e 30 de outubro, será dado o pontapé inicial da série de eventos do Brasília Innovation Week, que integra o projeto Startup Brasília 2030 (SB2030), realizado pela Fundação de Apoio à Pesquisa e Inovação do Distrito Federal (FAPDF) e executado pela Associação das Startups e Empreendedores Digitais (Brasil Startups).


A proposta é unir os mais diversos atores do ecossistema por meio de ações que promovam mais interações entre os stakeholders, capacitem os empreendedores e ofereçam ambientes propícios para a inovação aberta. Serão realizados três eventos presenciais até o final deste ano. A primeira semana da série está agendada para ocorrer nesta semana, das 14h às 21h, no BIOTIC – Parque Tecnológico de Brasília (DF).

Durante os quatro dias de evento, os empreendedores terão a chance de conhecer projetos desenvolvidos no Distrito Federal e Região Integrada de Desenvolvimento do Distrito Federal e Entorno (RIDE), fazer networking e negócios estratégicos diretamente com investidores, além de participar de capacitações direcionadas aos cinco drives que correspondem às áreas de atuação tecnológica das startups. A participação é 100% gratuita e as inscrições podem ser confirmadas no site: https://bit.ly/eventos-brasilstartups.

“O projeto Startup Brasília 2030 é uma iniciativa apoiada pela FAPDF no âmbito do seu Programa de Aquecimento do Ecossistema de Inovação do Distrito Federal. Nosso intuito é promover o desenvolvimento inteligente e sustentável de Brasília para transformá-la em uma cidade inteligente. Para conseguir realizar essa tarefa e mudar a matriz econômica e de desenvolvimento da capital federal, enxergamos nas startups atores essenciais, com potencial para gerar soluções para a cidade, oportunidades e ativos econômicos”, afirma o diretor-presidente FAPDF, Marco Antônio Costa Júnior.

A programação foi elaborada para startups em todos os níveis de maturidade: curiosidade, ideação, operação e tração; investidores e possíveis investidores; atores do ecossistema; universidades; prestadores de serviços; e representantes do governo e projetos contemplados pela FAPDF. 

“Em cada um desses eventos vamos promover a união de vários players do mercado para proporcionar melhores experiências, maior engajamento  e conexões entre eles, além de gerar ainda mais valor para as startups e os negócios da região”, afirma Hugo Giallanza, presidente da Brasil Startups. “Será uma semana de aprendizados, conexões e oportunidades em um ambiente com múltiplos eventos para startups e empreendedores”, acrescenta.

O evento conta com o apoio do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae-DF), Centro de Operação, Talento e Inovação operado pela Cotidiano Aceleradora de Startups (C.O.T.I) e BIOTIC – Parque Tecnológico de Brasília (DF).


Como parte das ações previstas no projeto Brasília Startup 2030, durante o Innovation Week também será construído o Manifesto do Ecossistema do Distrito Federal e RIDE, uma declaração pública de intenções, motivações e visões das lideranças e stakeholders da região. O documento vai manifestar a visão e os desejos dos atores-chave, o que deve aumentar o apoio das lideranças empresariais e governamentais e atrair mais empreendedores. 



Programação - O evento prevê, em cada dia, mentorias temáticas, painéis, visitas técnicas para conectar startups a investidores, meetups em formato de happy hours e com a presença de um palestrante, além de outras atividades promovidas pelos parceiros. Os mentores são profissionais ligados à Brasil Startups, C.O.T.I, Sebrae, entre outros parceiros. 


Durante as agendas diárias, também serão realizados os “innovatours Investor”, que serão visitas técnicas promovidas a startups sediadas em Brasília. O tour, que será realizado em vans, visa conectar os participantes a investidores tradicionais, atores-chave e startups em fase inicial.  Ao todo, mais de dez startups serão visitadas pelo grupo nos quatro dias de evento. 


A programação do Brasília Innovation Week ainda contará com os meetups, que irão encerrar todos os dias de evento, em formato de happy hour, com a presença de um palestrante. O objetivo é gerar networking e negócios estratégicos, além de proporcionar conteúdos relevantes para os participantes e fortalecer os cinco drives que correspondem às áreas de atuação tecnológica das startups.


“Trata-se de uma excelente oportunidade para apresentação dos principais projetos, iniciativas e atores chaves, com objetivo de conhecer todas ações que têm ocorrido em Brasília e analisar como elas têm colaborado com o nosso ecossistema”, afirma Tatiana Marques, diretora da Brasil Startups e coordenadora de drive de inovação do Startup Brasília 2030. “Também vale ressaltar que mentorias mensais gratuitas também serão oferecidas pela Brasil Startups aos participantes dos eventos”, completa.

"A Brasília Innovation Week é mais uma oportunidade de capacitação, geração de networking e troca de experiências que oferecemos aos nossos empreendedores para que possam se desenvolver e dar mais um passo para o desenvolvimento de negócios de impacto",  acrescenta o diretor-presidente da FAPDF. 

O que são os drives? – O projeto Startup Brasília  2030 irá atuar em cinco drives de inovação. São eles: Edtech (startups que atuam na área de educação e que incorporam o uso da tecnologia nos métodos de aprendizagem ou no gerenciamento das instituições), Fintech (startups que trabalham para inovar e otimizar serviços do sistema financeiro), Healthtech (startups que desenvolvem tecnologias para otimizar o sistema de saúde e tudo a ele relacionado), Socialtech (startups que garantem que a revolução tecnológica produza um impacto social positivo) e Govtech (startups que tem como propósito gerar inovação para a gestão pública e auxiliar na economia de recursos públicos através de soluções tecnológicas). 

“O projeto Startup Brasília 2030 é uma iniciativa apoiada pela FAPDF no âmbito do seu Programa de Aquecimento do Ecossistema de Inovação do Distrito Federal. Nosso intuito é promover o desenvolvimento inteligente e sustentável de Brasília para transformá-la em uma cidade inteligente. Para conseguir realizar essa tarefa e mudar a matriz econômica e de desenvolvimento da capital federal, enxergamos nas startups atores essenciais, com potencial para gerar soluções para a cidade, oportunidades e ativos econômicos”, acrescenta o diretor-presidente da FAPDF. 

Em novembro, de 17 a 20 de novembro, a programação terá algumas iniciativas voltadas para mulheres, adianta a diretora da Brasil Startups. “A ideia é realizar eventos de soluções rápidas para fortalecer a presença das mulheres no universo empreendedor”, explica. 


Saiba mais sobre o trabalho da Brasil Startups em: brasilstartups.org/sobre

Veja a programação completa do Brasília Innovation Week: https://bit.ly/eventos-brasilstartups.

 Novo centro de capacitação pretende profissionalizar setor de assistência técnica na cidade de São Paulo

 



A demanda por manutenção e reparo de smartphones e eletrônicos no centro de São Paulo sempre esteve em alta e com a chegada da pandemia e a crescente crise econômica, a opção se tornou ainda mais atrativa.

Ao mesmo tempo, estes serviços, em sua grande maioria, são realizados por jovens que têm facilidade com a tecnologia e a curiosidade de entender o funcionamento destes dispositivos, mas que muitas vezes não tiveram a oportunidade de se especializar no setor.

 

Pensando nisso, a Galeria Pagé Brás, um dos pontos mais procurados para estes serviços na cidade, pretende diminuir esse gargalo para profissionalizar o setor e fortalecer a geração de empregos na cidade. Para isso, contou com a parceria da Tech Channel, que investiu em um novo espaço na galeria e oferece diversos cursos de capacitação com foco na assistência técnica de smartphones e computadores.

 

“Com o desemprego em alta, muitos jovens buscam a primeira oportunidade para uma colocação. O projeto, portanto, nasceu com o objetivo de empoderar estes jovens, principalmente de baixa renda, para que possam se especializar no setor e conquistar espaço no mercado”, conta uma das idealizadoras do projeto, Michelle Menhen, da Tech Channel.

 

Incentivo ao empreendedorismo

 

O projeto também visa oferecer ferramentas para que os jovens se tornem empreendedores, uma vez que existe a possibilidade de, ao final de cada curso, buscar um novo emprego nos stands já existentes da Galeria Pagé Brás ou até mesmo montar o seu próprio negócio de assistência técnica.

 

“Estamos oferecendo bolsas de estudo para jovens de baixa renda e PCDs, pois entendemos que esse empurrão inicial fará toda a diferença no futuro. Além disso, descontos especiais em eventos organizados pelo Tech Channel, como workshops, Congressos Nacionais e Internacionais”, afirma Menhen.

 

Para alunos não bolsistas, existe a possibilidade de dividir o valor dos cursos em até 12x sem juros, além do acesso a uma vasta relação de fornecedores de acessórios credenciados ao centro de capacitação e descontos e condições de pagamentos facilitadas de maquinários e insumos na loja parceira Skymachine.

 

 

Do básico ao avançado

 

Os cursos são certificados e abordam teoria e prática de diferentes níveis de aprendizado, desde reparos básicos em smartphones (Android e iPhone), como pequenas correções em placas, até mesmo técnicas mais avançadas, como reparos no sistema de Face ID.

 

O quadro de professores conta com 10 profissionais nacionais e 4 internacionais: Carlos Quiceno, (Colômbia) Edgar yo reparo, (EUA) Join Técnico (Espanha) e Fernando Tapia (México), cada um deles especializado em um tipo de tecnologia e reparo.

 

“Reunimos os melhores professores na equipe para capacitar alunos de todo o país, oferecendo tecnologia de ponta para gerar empregos diretos e profissionalizar a área de assistência técnica no Brasil, que ainda é bastante informalizada”, afirma Menhen.

 

Ao todo serão 648 vagas a serem preenchidas até o fim deste ano, de acordo com a disponibilidade e fechamento de novas turmas, sendo 5% delas destinadas para bolsistas. As inscrições já estão abertas podem ser feitas através do site www.techchannel.com.br, via Whatsapp ou diretamente na galeria. 

 


Interessados já podem participar do Observatório do Ecossistema de Inovação, novo desafio da Brasil Startups, FAPDF e atores-chave do ecossistema.  

 

O que você acha de alcançar um melhor posicionamento no mercado, poder tomar decisões estratégicas mais bem informadas, se debruçar sobre projetos impactantes e entender quem são os stakeholders ou grupo de interesse do seu negócio? Pois está aberta a temporada de construção de um novo cenário para o ecossistema da inovação no Distrito Federal e Região Integrada de Desenvolvimento do Distrito Federal e Entorno (RIDE)!


A Fundação de Apoio à Pesquisa e Inovação do Distrito Federal (FAPDF) e a Associação de Startups e Empreendedores Digitais do Brasil (Brasil Startups) se uniram para a construção do Observatório do Ecossistema da Inovação (Inovatório), maior e mais completo mapeamento e classificação do ecossistema da inovação do DF e RIDE. 


“O Inovatório é uma ação do projeto Startup Brasília 2030 (SBSB2030), iniciativa apoiada pela FAPDF no âmbito do seu Programa de Aquecimento do Ecossistema de Inovação do Distrito Federal. Nosso intuito com a realização do Programa e o apoio a iniciativas como essa é promover o desenvolvimento inteligente e sustentável de Brasília para transformá-la em uma cidade inteligente”, ressalta Marco Antônio Costa Júnior, diretor-presidente da FAPDF. “O GDF aposta na atuação integrada entre governo, setor produtivo, academia e sociedade para transformar a capital federal em um polo produtor de inovação”, completa.


Voltado para diversos atores-chave, como startups, empreendedores, investidores, universidades, coworkings, escolas, influenciadores e prestadores de serviços especializados, o Inovatório irá suprir a falta de dados estruturados e informações atualizadas sobre o universo da inovação. A proposta é conectar empreendimentos, compartilhar dados e contribuir para a elaboração de políticas públicas mais eficientes para a região. Os interessados em participar do mapeamento deverão acessar o endereço eletrônico do Inovatório.

“Empreendedores poderão encontrar em um único lugar e de forma acessível informações e inteligência de dados para conectar e apoiar a tomada de decisão das startups. O Inovatório também vai permitir que os diversos agentes enxerguem a evolução do setor e avaliem o cenário e as tendências para que possam planejar com maior propriedade as ações que deverão potencializar cada vez mais o ambiente de inovação nos seus negócios e na região”, ressalta  o vice-presidente da Brasil Startups e coordenador de implantação do Inovatório, Wendely Leal.

Integração e conhecimento –  O Inovatório vai reunir essas informações e torná-las acessíveis, fornecendo indicadores para consultas de fins diversos; incentivar políticas públicas com bases de dados; e dar suporte a decisões estratégicas do setor público e privado. Será um hub de conteúdo atualizado em tempo real com dados, informações e aprendizados disponibilizados no portal Observatório do Ecossistema de Inovação, canal que vai contribuir para a conexão de empreendedores, possibilitando a troca de experiências, a cocriação e o fortalecimento dos negócios inovadores e startups na região, o diálogo entre os participantes e a construção de um ambiente favorável à inovação. 

A partir disso, será possível atrair novos investidores e parceiros, além de auxiliar o poder público e privado no processo de criação de políticas públicas e na tomada de decisões estratégicas que favoreçam o crescimento e a prospecção das startups na região. “Acreditamos que as startups são atores essenciais para esse processo de transformação, com potencial para gerar soluções para a cidade, oportunidades e ativos econômicos”, destaca o diretor-presidente da FAPDF.

Como participar – Para participar do mapeamento, basta se cadastrar em um ou mais formulários que estão disponíveis no endereço eletrônico do Inovatório: http://inovatorio.org/mapeamento. Caso queira apenas consultar dados, acesse: inovatório.org.

“Ao contribuir  com o mapeamento, os participantes serão beneficiados com dados que irão possibilitar uma maior compreensão sobre as características do ecossistema de startups e poderão sair do campo das suposições na hora de planejar ações futuras”, afirma o coordenador de marketing na Brasil Startups, Daniel Chacal. “Nós vamos trazer informações gerais sobre o perfil  da startup e dos colaboradores, indicadores de aquecimento, impacto da Covid-19, entre outros”, completa.

A proposta está comprometida com a proteção total dos dados dos participantes, a partir do cumprimento da Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD), que dispõe sobre o tratamento desses dados, inclusive nos meios digitais.

Diferentemente do que indica o senso comum, projetos de inovação podem significar mais do que a criação de equipamentos geniais. Para o Cebraspe, inovar é sinônimo de melhorar processos já existentes, de modo que as organizações ganhem em eficiência, melhorem a experiência do cliente, otimizem fluxos de trabalho e implantem práticas ambientalmente corretas.

Por isso, a instituição – já conhecida no Brasil por promover o ensino, a pesquisa científica e o desenvolvimento tecnológico e institucional – elevou a aposta no aprimoramento do seu processo de gestão da inovação, para se consolidar como Instituição Científica, Tecnológica e de Inovação (ICT) referência nas áreas de educação e avaliação.

De acordo com Claudia Maffini Griboski, Diretora Executiva do Centro, a agenda da inovação sempre foi uma das prioridades da instituição e ganhou força com o Novo Marco Legal de Ciência e Tecnologia (Lei nº 13.243/2016). Depois de criar o Programa Inovar, em 2019, e aprovar a sua Política de Inovação, em 2020, o Cebraspe está em fase avançada de implantação da Incubadora de Projetos, que vai estabelecer processos estruturados para melhor acompanhar os projetos de inovação advindos do Programa Inovar, além de outras iniciativas estratégicas da instituição.

“A ideia é estimular a cultura de projetos inovadores na organização, em outras Instituições de Ciência e Tecnologia (ICT’s) parceiras e também junto a pesquisadores interessados em desenvolvimento de projetos aderentes às áreas de atuação da nossa organização”, explica a Diretora, que também é Presidente do Comitê Interno de Apoio e Estruturação de Processos de Inovação (Caepi).

A incubadora vai prospectar, selecionar e capacitar projetos que apresentem ideias de produtos, processos ou serviços inovadores, com potenciais diferenciais de mercado, viabilidade técnica e econômica. Além disso, vai oferecer mentoria qualificada, capacitações e experiências na área dos projetos selecionados, para que as ideias sejam aprimoradas e recebam apoio que torne viável a sua implantação.

“Com o Programa Inovar, observou-se que alguns projetos não avançaram como poderiam por uma série de fatores e que, talvez, com uma incubadora de projetos, auxiliando na viabilidade, poderíamos ter um ganho institucional”, afirma Danylo Mucury, colaborador do Centro, um dos idealizadores da incubadora e membro do Caepi.

Programa Inovar – O Programa Inovar foi lançado pelo Cebraspe em 2019 e este ano entra em sua 2ª edição. A iniciativa associada ao trabalho da incubadora é mais uma semente do Caepi, que visa estimular e disseminar a cultura de inovação no Cebraspe.

Nesta edição, o Programa recebeu 19 inscrições de projetos inovadores. Foram oito na categoria Pessoas, três em Redução de Riscos, dois em Sustentabilidade e outros seis em Novos Produtos ou Serviços.

“A ação da incubadora será focada na agregação de valor para os projetos apoiados. Assim, toda a atenção da equipe de gestão da incubadora deve ser no sentido de identificar dificuldades e oportunidades, de forma a acelerar e ampliar o sucesso dos projetos”, assinala Mucury.

Mais sobre o Cebraspe – O Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos (Cebraspe) é uma instituição sem fins lucrativos, criada com o objetivo de promover o ensino, a pesquisa científica e o desenvolvimento tecnológico e institucional por meio da realização de estudos, pesquisas, programas e projetos nas áreas de avaliação, certificação e seleção.

Ao longo dos anos, consolidou-se como uma organização agregadora, capaz de contribuir efetivamente para o desenvolvimento do país em todas as suas áreas de atuação. Por meio de suas avaliações e pesquisas, fornece informações enriquecedoras para o desenvolvimento das organizações, sejam elas públicas ou privadas. Saiba mais sobre o Cebraspe em https://www.cebraspe.org.br/sobre-nos/

CLIQUE AQUI E VEJA MINA CASA, MINHA VIDA VALPARAISO

Tecnologia do Blogger.