Com nova variante, mais transmissível e agressiva, especialistas alertam para importância do diagnóstico precoce do HIV


Realização de testes de HIV caiu durante a pandemia
Envato Imagens

Número de testes caiu durante a pandemia; tratamento garante qualidade de vida, mas preconceito contra infectados ainda é grande

Uma nova variante do HIV, detectada na Holanda, trouxe à tona um alerta antigo: a importância de vencer o preconceito e diagnosticar precocemente a doença. Com maior poder de transmissão do que as variantes anteriores, a mutação foi nominada de VB e tem como diferencial a proteína que o vírus utiliza para se replicar, que é quatro vezes maior que as outras já conhecidas. Mesmo com essa nova característica, especialistas afirmam que o maior desafio relacionado à doença ainda está na testagem e adesão ao tratamento. 

“Apesar da nova variante ser mais agressiva, com maiores chances de diminuir as células responsáveis pela defesa do corpo, o tratamento é o mesmo e, muitas vezes, se resume a uma pílula ao dia. Nosso maior desafio ainda é a discriminação”, alerta a infectologista do Hospital Marcelino Champagnat, Camila Ahrens. 

No Brasil, a cada 15 minutos uma pessoa é infectada pelo HIV. Segundo dados do Ministério da Saúde, 920 mil brasileiros vivem com o vírus no país. A estimativa é que 89% desses infectados estão diagnosticados e 77% fazem tratamento com antirretroviral. 

Testagem

A pandemia da covid-19 fez com que o número de testes realizados no país caísse de forma considerável. Em 2020, 680 mil pessoas morreram no mundo por doenças relacionadas à aids. Nos próximos 10 anos, mais 7,7 milhões de mortes devem ser registradas pelo mesmo motivo. A prevenção, com uso da camisinha e de seringas e agulhas descartáveis, é a principal orientação.

Para quem teve comportamento considerado de risco, o ideal é a realização de testes rápidos disponíveis em farmácias e pelo SUS - unidades básicas de saúde, unidades de pronto atendimento e centros de testagem e aconselhamento. Mas o preconceito e a discriminação fazem com que muitas pessoas não busquem a testagem. 

“Fazer o teste para detectar o HIV não pode ser um problema. O diagnóstico precoce é essencial para que a infecção não cause problemas mais sérios, porque a demora no início do tratamento reduz a expectativa de vida”, ressalta a infectologista.