Iniciativa usa livros para incentivar isolamento em combate ao COVID-19 no município de Morada Nova de Minas

 


O projeto da livraria coletiva “Li na Morada” pretende levar a leitura a todos os Moradenses.

 

Democratizar o acesso à leitura no município de Morada Nova de Minas. Esse é o propósito do projeto “Li na Morada”, biblioteca coletiva implantada no centro da pequena cidade mineira, onde as pessoas podem levar livros para casa e também deixar obras para emprestar aos moradores. Iniciativas como essa surgem para auxiliar na redução do índice de baixa proficiência em leitura no Brasil e, por consequência, da desigualdade social, econômica e cultural.   

 

Para a estudante Fabiana Lara, a busca por conhecimento nunca é tarde. “Morada está precisando de um impulso, e iniciativas como essa da Livraria Coletiva já é um belo passo”, ressalta. Lara não perdeu tempo e já integra uma das leitoras do projeto. “Já garanti minha leitura, estou lendo um dos livros e estou adorando o conteúdo”, completa.

 

De acordo com a idealizadora do projeto, a advogada, pesquisadora e mestre em Direito e Políticas Públicas Mônica Thais Souza Ribeiro, que é natural do município, mas mora atualmente em Brasília, a iniciativa é desenvolvida sem qualquer finalidade lucrativa e visa oferecer de forma democrática livros ao alcance de todos. Usando uma antiga caixa de correio da família, a advogada construiu uma casinha para acolher livros para livre leitura da população na frente da casa da sua mãe.  Logo embaixo da casinha foi disponibilizado um banco de madeira para as pessoas se sentarem e lerem.

 

“Minha intenção é democratizar o acesso à leitura e disponibilizar livros impressos e atualizados da literatura, de forma democrática, a todos os moradores e visitantes do município. Comecei compartilhando os meus livros para influenciar outras pessoas a disponibilizar e circular conhecimento acessado em diversas áreas e locais diferentes”, explica.

 

O projeto, que teve início neste mês de fevereiro, tem o objetivo de, até o final do ano, instalar mais dois pontos, em outros dois bairros estratégicos: um na Varginha e outro no Açude A novidade tem agradado os moradores da cidade, como a dona Maria “Morada Nova precisava desse empurrãozinho para que todos tenham também essa iniciativa”.

 

Inicialmente, o projeto será instalado em bairros distantes na cidade. Em seguida, a ideia é multiplicar esses pontos de coleta e setorizar a oferta das obras, como por exemplo, colocar livros de literatura infantil perto de um parquinho. 




Importância da leitura – Para a idealizadora do projeto, o acesso à leitura oferece conhecimento e como todos sabem o conhecimento é algo que ninguém toma. “Sempre gostei de ler porque, além de me divertir criando imagens do que é narrado, aprendo novas palavras, novas formas de comunicação que, por mais limitadas que possam ser, são meios de acesso às diversas culturas. A leitura também possibilita a ampliação de possibilidades de escolhas, de potenciais de reflexão e, inclusive, de revisão no nosso formato de vida, compreensão do passado e explicação do nosso presente”, acredita Mônica Ribeiro.

 

A ideia reforça a importância do estímulo à leitura desde cedo. Segundo um estudo divulgado pelo Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa 2018), maior estudo sobre educação do mundo, os estudantes brasileiros estão dois anos e meio abaixo dos países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) em relação ao nível de escolarização de proficiência em leitura.


Empréstimo
 – Para fazer o “empréstimo” do livro não é necessário realizar cadastro, basta o interessado se dirigir ao local e escolher o livro de sua preferência. “O diferencial do projeto está em disponibilizar livros recém-lançados no mercado editorial, sem restrição de tema e sem burocracia para pegar. A livraria é de todo mundo e não exige cadastro, controle de tempo para devolução ou cobrança de documento ou comprovante de residência”, ressalta.

 

Para evitar contaminação por conta da pandemia do coronavírus, antes e depois de pegar os livros, os leitores podem higienizar as mãos com álcool em gel disponível para uso no local. Os idosos, faixa etária com maior risco de contaminação pelo vírus, podem escolher o livro preferido evitando aglomerações: sem precisar ir ao comércio, por exemplo. 

 

Como ajudar – Você também pode contribuir com a iniciativa por meio da doação de livros. Para saber mais informações sobre o projeto, acesse o Instagram @lanamorada.

 

Serviço:

O quê: Projeto Li na Morada

 

Onde: Morada Nova de Minas

 

Endereço:  Rua Arnaldo Xavier Cordeiro, nº 562